FísicosLX

quarta-feira, agosto 24, 2005

Ficção científica portuguesa da década de sessenta

- «Já não há Fantasmas, meus Senhores / Morreram os Fantasmas / Ah quem soubesse chorá-los!» Sabes onde vem isto?

- Não há dúvida, no Livro de Syma, talvez num dos últimos tomos, talvez no primeiro, não me compete sabê-lo...

- Nunca te compete nada, «rapaz»! Não, não vem no livro de Syma; tal «trocadilho» deve ter passado à posteridade pela tradição oral...

Riri mostra-se extremamente divertido:

- ... Gostas de flanar ao capricho antigeométrico da natureza. É isso.

- Enganas-te, Riri. Conto-te estas coisas para que possas tirar sábias conclusões, ultrapasses o teu metálico espírito. Aos poucos - quem sabe? - tornar-te-ás um robot humanóide tão cínico como Albert ou Henry... - Maga levou um dedo aos lábios: - ... Não, o que queremos é que tenhas senso de humor, espírito crítico, como qualquer pré-histórico bobo, sòmente isso. Nem de outro modo se explicaria a tua existência, a não ser que uma existência se justifique... Nunca se justifica, é evidente...

Riri curvou-se. Os traços brilhantes do seu esferóide rosto fizeram-se mais brilhantes, como que reveladores de contentamento «íntimo»:

- Sou o teu Escravo, Maga.

Maga dirigiu-se a uma porta doirada (estavam em moda as portas doiradas), parando antes de a abrir para dizer:

- É melhor, de facto, continuares a desempenhar o teu simplérrimo papel de eunuco-escravo, ou melhor, de caixa metalo-orgânica onde se guardam «virtudes», isto é, propriedades neutro-negativas. Quem nos diz a nós que um dia não necessitaremos dessa bagagem para sobreviver?... Não fiques a pensar nisso, contudo...

Maga abriu definitivamente a porta e entrou em enorme sala-biblioteca decorada com a mesma febril profusão de alucinantes imagens, o livro Syma desdobrando-se em tomos «ad infinitum». A meio da peça, notável, além de tudo o mais, aparatoso sistema de lentes e esferas encimado por um globo liso e branco, meio encarapuçado, tal um olho de gigante semidesperto (inofensivo S-D-H).

Maga sentou-se numa poltrona. Riri foi buscar o Tomo MMMCMXCLV, que abriu na página própria e depois entregou à rapariga, retirando-se em seguida. Esta olhou as folhas desinteressada.


(Alice Sampaio, in "Aquário", Livraria Bertrand, 1963)

1 :

  • Olá físicos, olá Aristarco.

    Acabei de adicionar ao Bibliowiki precisamente este livro (aqui e aqui), e gostaria da vossa ajuda, se possível.

    É que a informação que eu tinha dizia que se tratava de um livro de poesia, ao passo que no site da BN se afirma que é um romance (chamado O Aquário e não apenas Aquário. Ao procurar mais informação que solucionasse a inconsistência, dei com o vosso blogue e com o vosso excerto, que parece confirmar a BN, mas se quisessem dar-me mais informações, eu agradecia.

    Para tal, podem fazê-lo no próprio Bibliowiki. A edição das páginas propriamente ditas está desabilitada para não-editores, mas depois de criar uma conta podem usar a página de discussão.

    Obrigado


    enviado por Blogger Jorge em julho 28, 2007 4:18 da tarde  


Inserir Comentário

<< Página principal


 

Powered by Blogger